Posts com a Tag ‘geografia agrária’

Geografia Agrária

Olá, gente!

Recebi uma pergunta legal no Perguntas & Respostas e decidi compartilhar com vocês as suas respostas!

Pergunta:

tenho prova amanhã sobre reforma agrária, dá pra fazer um resumo legal incluindo essas palavras chaves?

  • grilagem de terras
  • bancada ruralista
  • revolução verde
  • lei de terras
  • assentamentos rurais
  • fronteira agrícola

    Resposta:

-  Grilagem de Terras:

A grilagem de terras ocorre quando se dá a falsificação de documentos para, de forma ilegal, tornar-se dono por direito de terras devolutas ou de terceiros. Ainda se caracteriza a grilagem quando  há a posse ilegal de prédios ou prédios indivisos, por meio de documentos falsificados.

- Bancada Ruralista:

Na  política brasileira, a bancada ruralista constitui uma frente parlamentar que atua em defesa dos interesses dos proprietários rurais. A bancada ruralista é particularmente atuante na hora de contrapor-se a projetos de lei com o objetivo de promover a reforma agrária. Foi para barrar as normas constitucionais nesse sentido que ela se constituiu, na Assembléia Nacional Constituinte, sob a inspiração da União Democrática Ruralista UDR).

- Revolução Verde:

A expressão foi criada em 1966, em uma conferência em Washington, por William Gown, que disse a um pequeno grupo de pessoas interessadas no desenvolvimento dos países com déficit de alimentos “é a Revolução Verde, feita à base de tecnologia, e não do sofrimento do povo”.

A implantação de novas técnicas agrícolas iniciou-se no fim da década de 1940, porém os resultados expressivos foram obtidos durante as décadas de 1960 e 1970, onde países em desenvolvimento aumentaram significativamente sua produção agrícola.

Esse programa foi financiado pelo grupo Rockefeller, sediado em Nova Iorque. Utilizando um discurso ideológico de aumentar a produção de alimentos para acabar com a fome no mundo, o grupo Rockefeller expandiu seu mercado consumidor, fortalecendo a corporação com vendas de pacotes de insumos agrícolas, principalmente para países em desenvolvimento como Índia, Brasil e México.
O grupo patrocinou projetos em determinados países criteriosamente selecionados, as nações escolhidas foram: México, Filipinas, Estados Unidos, e, em menores proporções, o Brasil.

As sementes modificadas e desenvolvidas nos laboratórios possuem alta resistência a diferentes tipos de pragas e doenças, seu plantio, aliado à utilização de agrotóxicos, fertilizantes, implementos agrícolas e máquinas, aumenta significativamente a produção agrícola.

A Revolução Verde proporcionou tecnologias que atingem maior eficiência na produção agrícola, aumentando significativamente a produção de alimentos, entretanto, a fome mundial não foi solucionada, desbancando o discurso humanitário de aumentar a produção de alimentos para acabar com a fome nos países em desenvolvimento.

- Lei de Terras:

Criada em 1850, foi a primeira iniciativa no sentido de organizar a propriedade privada no Brasil. Até então, não havia nenhum documento que regulamentasse a posse de terras e com as modificações sociais e econômicas pelas quais passava o país, o governo se viu pressionado a organizar esta questão.

A Lei de Terras foi aprovada no mesmo ano da Lei Eusébio de Queirós, que previa o fim do tráfico negreiro e sinalizava a abolição da escravatura no Brasil. Grandes fazendeiros e políticos latifundiários se anteciparam a fim de impedir que negros pudessem também se tornar donos de terras.

Chegavam ao país os primeiros trabalhadores imigrantes. Era a transição da mão de obra escrava para assalariada. Se não houvesse uma regulamentação e uma fiscalização do governo, de empregados, estes estrangeiros se tornariam proprietários, fazendo concorrência aos grandes latifúndios.

Ficou estabelecido, a partir desta data, que só poderiam adquirir terras por compra e venda ou por doação do Estado. Não seria mais permitido obter terras por meio de posse, a chamada usucapião. Aqueles que já ocupavam algum lote receberam o título de proprietário. A única exigência era residir e produzir nesta localidade.

Promulgada por D. Pedro II, esta Lei contribuiu para preservar a péssima estrutura fundiária no país e privilegiar velhos fazendeiros. As maiores e melhores terras ficaram concentradas nas mãos dos antigos proprietários e passaram às outras gerações como herança de família.

- Fronteira agrícola:

É o avanço da unidade de produção capitalista sobre o meio ambiente, terras cultiváveis e/ou terras de agricultura familiar. A fronteira agrícola está ligada com a necessidade de maior produção de alimentos, criação de animais sob a demanda internacional de importação destes produtos. É, em essência, o limite entre agricultura de subsistência e lavoura comercial.

- Assentamentos rurais:

Áreas rurais (Fazendas) loteadas e distribuídas para os sem terra pelo INCRA.

E aí galera, gostaram?
Ficou alguma dúvida? Escrevam para mim!

Abraços,
Pedro Grillo.

ENEM 2010 – Prova de Geografia

Olá, boa noite, meus nerds queridos! :)

E aí, como vai a semana de estudos de vocês? Todo mundo conseguindo manter o foco nessa reta final? Vamos lá, galera, falta pouquinho para o ENEM!

Hoje a atividade por aqui vai ser um pouco diferente. Postarei um vídeo, com a resolução do professor João Paulo, da primeira questão da parte de geografia do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2010. A questão se refere a um assunto muito importante; o mundo rural brasileiro e a modernização agrícola.

E aí, preparados? Então, vamos lá! :D

Imagem de Amostra do You Tube

00:00 – Geografia.

ENEM 2010, Prova Amarela – Questão 1.

Professor: João Paulo.

“Antes, eram apenas as grandes cidades que se apresentavam como o império de técnica, objeto de modificações, suspensões, acréscimos, cada vez mais sofisticadas e carregadas de artifício. Esse mundo artificial inclui, hoje, o mundo rural.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço. São Paulo: Hucitec, 1996.

Considerando a transformação mencionada no texto, uma consequência socioespacial que caracteriza o atual mundo rural brasileiro é:

A) a redução do processo de concentração de terras.
B) o aumento do aproveitamento de solos menos férteis.
C) a ampliação do isolamento do espaço rural.
D) a estagnação da fronteira agrícola do pais.
E) a diminuição do nível de emprego formal.”

0:15 Essa questão trata sobre o que ele chama de império da técnica, ou seja, a introdução de várias técnicas que ele vai colocar, inicialmente, no texto na cidade, mas no fundo ele pergunta pra gente quais são os efeitos dessas técnicas para o campo. Um pouquinho de interpretação, um pouquinho de modernização agrícola, vamos fazer a questão.

0:35 A questão número 1 começa com um texto do Milton Santos falando do império da técnica, dizendo que esse império tinha sido na cidade, no meio urbano, mas termina o parágrafo dizendo que logo em seguida essas técnicas acabaram indo para o campo. O que o Milton Santos quis dizer com isso? Ele estava tratando do processo de modernização agrícola. A pergunta é simples e bem direta: qual é o efeito dessa modernização agrícola? E ela especifica, ela quer as consequências socio-espaciais desse processo de modernização agrícola.
1:04 Na prática, então, o que a gente tem que visualizar? Que com a chegada dessas técnicas no meio rural, essas técnicas vão transformar o processo produtivo. Basicamente, duas respostas poderiam aparecer aí:
A primeira, uma consequência socio-econômica negativa que é o desemprego. O desemprego estrutural no campo, a evasão de pessoas do campo para a cidade, o exôdo rural.
A segunda, uma questão positiva, uma consequência positiva, que seria com a chegada das máquinas nós temos técnicas melhores, produções melhores. Então, naturalmente nós temos um aumento de produtividade. É isso que nós vamos encontrar no gabarito. A letra B fala exatamente desse aumento da produtividade rural em função da modernização agrícola.
Gabarito:  Letra B.

*
E aí, galera, descomplicou? Espero que tenham gostado! :)
Aproveitem para ver a continuação desse módulo no Descomplica, com os vídeos da resolução das outras questões de geografia do ENEM 2010. É só clicar aqui!

Bons estudos e até a próxima! :)

Geografia Agrária – Parte 2

Olá, boa tarde, meus nerds muito queridos! :)

O fim de semana está chegando e sei que todo mundo está louco pra dar uma relaxada no ritmo de estudos. Mas o Desconversa não para e visando fechar a semana bem preparamos mais um resumo importante para vocês.

O tema de hoje é a Geografia Agrária. Na primeira parte, falamos sobre a agricultura tradicional e moderna. Já nessa segunda parte, falaremos sobre os diferentes tipos de pecuária no Brasil.

E aí, preparados? Então, vamos lá! :)

- Pecuária Extensiva:

A pecuária extensiva faz uso de uma quantidade menor de tecnologia, utilizando, normalmente, ou pasto natural ou pasto plantado. Necessita de uma grande área para produção (médias e grandes propriedades).

- Pecuária Intensiva:

A pecuária intensiva é praticada em pequenas propriedades e o gado é de estábulo. Além disso, é mais tecnológica (zootecnista, tecnologia para extração de leite, biotecnologia) e o emprego do capital é em larga escala. Muitas vezes está integrada aos complexos industriais.

Quando falamos de pecuária intensiva, falamos de uma agricultura que se baseia em pouca terra. Isso quer dizer que a agricultura moderna se utilizada de pouca terra, ao contrário da agricultura tradicional. Como exemplo, podemos citar a suinocultura que é praticada em propriedades de pequeno porte.
No Brasil, essa suinocultura é amplamente desenvolvida no oeste catarinense, onde se tem fazendas bem pequenas e que mesmo assim conseguem manter uma alta produtividade. Portanto, é importante ressaltar que na pecuária intensiva o tamanho da terra perde espaço devido ao uso em grande escala de tecnologia.

*

E aí, descomplicou? Espero que tenham gostado! :)

Até a próxima e bons estudos! :)

Geografia Agrária – Parte 1

Olá, boa tarde, meus nerds muito queridos! :)

O fim de semana está chegando e sei que todo mundo está louco pra dar uma relaxada no ritmo de estudos. Mas o Desconversa não para e visando fechar a semana bem preparamos mais um resumo importante para vocês.

O tema de hoje é a Geografia Agrária. Na primeira parte, falaremos sobre a agricultura tradicional e moderna. Já na segunda parte, falaremos sobre os diferentes tipos de pecuária no Brasil.

E aí, preparados? Então, vamos lá! :)

- Agricultura Moderna:

A agricultura moderna faz uso de várias tecnologias, como os tratores, colhedeiras, ceifadeiras, adubo, fertilizantes, entre outros.  Além disso, também seleciona sementes modificadas geneticamente. No entanto, a agricultura moderna não se limita ao uso de máquinas; há também uso de biotecnologia.

Essa agricultura moderna se baseia no aumento da sua produção à medida em que ela incrementa tecnologia. Isso nos leva ao importante conceito de produtividade agrícola, que se diferencia do de produtividade industrial. Produtividade agrícola é a relação entre a produção realizada e a área cultivada. Quando falamos de agricultura moderna, podemos aumentar a produtividade sem aumentar a área plantada. O aumento dessa produção sem o acréscimo de área plantada está diretamente relacionada ao uso de tecnologia no campo.

Esse tipo de agricultura é capitalizada, baseada em grandes investimentos, fundamentais para o seu desenvolvimento. Por isso, a forma mais concreta de se falar em agricultura moderna é através dos famosos complexos agroindustriais, nos quais temos uma produção agrícola integrada a uma produção industrial. Existe uma troca constante entre a indústria tecnológica e a indústria agropecuária, na qual a primeira oferece tecnologia e a outra ajuda com capital. Por fim, ainda temos o sistema financeiro, responsável por financiar toda essa cadeia produtiva. Dessa forma, o que chamamos atualmente de agricultura moderna se resume a esses complexos agroindustriais.
-  Agricultura Tradicional:

Ao contrário da agricultura moderna, agricultura tradicional faz uso de métodos ultrapassados e de mão de obra em larga escala. No entanto, há  um caso particular, cujo o uso extenso de mão de obra na agricultura moderna é necessário, que é a fruticultura. Se tivermos uma produção agrícola de fruticultura, moderna ou tradicional, nos dois casos serão empregadas muita mão de obra, uma vez que certas partes dessa produção não podem ser mecanizadas, como, por exemplo, a colheita das frutas.

Outra diferença em relação à agricultura moderna, é que na agricultura tradicional é necessário incorporar terras para aumentar a produção. Então, tal tipo de agricultura é considerada uma agricultura de baixa produtividade e capaz de gerar tantos impactos ambientais quanto a agricultura moderna. A agricultura tradicional é típica dos países em desenvolvimento, o que não significa que não seja praticada também nos países desenvolvidos.  O mesmo ocorre com a agricultura moderna; embora seja praticada mais amplamente nos países desenvolvidos, também é praticada em menor escala em alguns países em desenvolvimento.
*
E aí, descomplicou? Espero que tenham gostado! :)
Fiquem ligados que em breve postarei a segunda parte, falando sobre os diferentes tipos de pecuária no Brasil.

Até a próxima! :)

SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline