Posts com a Tag ‘dicas de ortografia’

Saiba quando usar Ç, S, SS, Z e X

Faaaaala, amigos do Desconversa!

Tudo certinho? Sabe quando bate aquela dúvida: escreve-se tal palavra com S ou SS? S ou Ç? X ou Z? Ó CÉUS!

Sem desespero! Hoje, vamos ver algumas dicas que ajudarão e muito na hora de escrever aquela redação sem erros ortográficos, digna de 10 no vestiba! Então, vambora que tempo é o que nos falta!

Grupo 01

a) Usa-se ç em palavras derivadas de vocábulos terminados em TO:

intento = intenção
canto = canção
exceto = exceção
junto = junção

b) Usa-se ç em palavras terminadas em TENÇÃO referentes a verbos derivados de TER:

deter = detenção
reter = retenção
conter = contenção
manter = manutenção

c) Usa-se ç em palavras derivadas de vocábulos terminados em TOR:

infrator = infração
trator = tração
redator = redação
setor = seção

d) Usa-se ç em palavras derivadas de vocábulos terminados em TIVO:

introspectivo = introspecção
relativo = relação
ativo = ação
intuitivo – intuição

e) Usa-se ç em palavras derivadas de verbos dos quais se retira a desinência R:

reeducar = reeducação
importar = importação
repartir = repartição
fundir = fundição

f) Usa-se ç após ditongo quando houver som de s:

eleição
traição

Grupo 02

a) Usa-se s em palavras derivadas de verbos terminados em NDER ou NDIR:

pretender = pretensão, pretensa, pretensioso
defender = defesa, defensivo
compreender = compreensão, compreensivo
repreender = repreensão
expandir = expansão
fundir = fusão
confundir = confusão

b) Usa-se s em palavras derivadas de verbos terminados em ERTER ou ERTIR:

inverter = inversão
converter = conversão
perverter = perversão
divertir = diversão c) Usa-se s após ditongo quando houver som de z:
Creusa
coisa
maisena

d) Usa-se s em palavras terminadas em ISA, substantivos femininos:

Luísa
Heloísa
Poetisa
Profetisa

Obs: Juíza escreve-se com z, por ser o feminino de juiz, que também se escreve com z.

e) Usa-se s em palavras derivadas de verbos terminados em CORRER ou PELIR:

concorrer = concurso
discorrer = discurso
expelir = expulso, expulsão
compelir = compulsório

f) Usa-se s na conjugação dos verbos PÔR, QUERER, USAR:

ele pôs
ele quis
ele usou

g) Usa-se s em palavras terminadas em ASE, ESE, ISE, OSE:

frase
tese
crise
osmose
Exceções: deslize e gaze.

h) Usa-se s em palavras terminadas em OSO, OSA:

horrorosa
gostoso
Exceção: gozo

Grupo 03

a) Usa-se o sufixo indicador de diminutivo INHO com s quando esta letra fizer parte do radical da palavra de origem; com z quando a palavra de origem não tiver o radical terminado em s:

Teresa = Teresinha
Casa = casinha
Mulher = mulherzinha
Pão = pãozinho

b) Os verbos terminados em ISAR serão escritos com s quando esta letra fizer parte do radical da palavra de origem; os terminados em IZAR serão escritos com z quando a palavra de origem não tiver o radical terminado em s:

improviso = improvisar

análise = analisar

pesquisa = pesquisar

terror = aterrorizar

útil = utilizar

economia = economizar

c) As palavras terminadas em ÊS e ESA serão escritas com s quando indicarem nacionalidade, títulos ou nomes próprios; as terminadas em EZ e EZA serão escritas com z quando forem substantivos abstratos provindos de adjetivos, ou seja, quando indicarem qualidade:

Teresa

Camponês

Inglês

Embriaguez

Limpeza

Grupo 04

a) Os verbos terminados em CEDER terão palavras derivadas escritas com CESS:

exceder = excesso, excessivo

conceder = concessão

proceder = processo

b) Os verbos terminados em PRIMIR terão palavras derivadas escritas com PRESS:

imprimir = impressão

deprimir = depressão

comprimir = compressa

c) Os verbos terminados em GREDIR terão palavras derivadas escritas com GRESS:

progredir = progresso

agredir = agressor, agressão, agressivo

transgredir = transgressão, transgressor

d) Os verbos terminados em METER terão palavras derivadas escritas com MISS ou MESS:

comprometer = compromisso

prometer = promessa

intrometer = intromissão

remeter = remessa

Grupo 05

a) Escreve-se com j a conjugação dos verbos terminados em JAR:

Viajar = espero que eles viajem

Encorajar = para que eles se encorajem

Enferrujar = que não se enferrujem as portas

b) Escrevem-se com j as palavras derivadas de vocábulos terminados em JA:

loja = lojista

canja = canjica

sarja = sarjeta

gorja = gorjeta

c) Escrevem com j as palavras de origem tupi-guarani.

Jiló

Jibóia

Jirau

Grupo 06

a) Escrevem-se com g as palavras terminadas em ÁGIO, ÉGIO, ÍGIO, ÓGIO, ÚGIO:

pedágio

sacrilégio

prestígio

relógio

refúgio

b) Escrevem-se com g os substantivos terminados em GEM:

a viagem

a coragem

a ferrugem

Exceções: pajem, lambujemc) Palavras iniciadas por ME serão escritas com x:

Mexerica

México

Mexilhão

Mexer

Exceção: mecha de cabelos) As palavras iniciadas por EN serão escritas com x, a não ser que provenham de vocábulos iniciados por ch:

Enxada

Enxerto

Enxurrada

Encher – provém de cheio

Enchumaçar – provém de chumaçoe) Usa-s x após ditongo:

ameixa

caixa

peixe

Exceções: recauchutar, guache

Por essa semaninha é só! Bom feriado, descanse, mas ó, não deixe de dar aquela bizoiada em português não ;)

(fonte: Mundo Vestibular)

E 2012 ESTÁ CHEGANDO… (REFORMA ORTOGRÁFICA – 3)

Olá, pessoal!

Vamos continuar analisando a Reforma Ortográfica que entra em vigor a partir de 2012! Confira a parte 1 e a parte 2!

Dentre as mudanças estabelecidas pela Reforma Ortográfica, as que estão relacionadas ao uso do hífen são com certeza as que geram mais dúvidas. Mas, calma! Nada que a gente não consiga descomplicar!

AINDA USAMOS O HÍFEN QUANDO…

1.Usamos o hífen quando a primeira “parte” da palavra (prefixo)  termina em vogal e o segundo elemento começa com a mesma vogal.

Ex: anti-inflamatório, micro-ondas, micro-ônibus

(para memorizar: usamos o hífen para separar duas vogais iguais)

Mas quando as vogais são diferentes não usamos o hífen

Ex: autoajuda, autoescola, infraestrutura, semiárido

2. Usamos o hífen quando o prefixo termina em r e o segundo elemento da palavra começa com r.

Ex: inter-regional, inter-racial, super-resisitente

3.Usamos o hífen após o prefixo quando a palavra é iniciada por h

Ex: super-homem, sobre-humano, anti-higiênico

4.Usamos o hífen após os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré e pró

Ex: ex-aluno, sem-terra, além-mar, recém-nascido, pós-graduação, pré-vestibular

5.Usamos o hífen em nomes geográficos apenas quando o primeiro elemento é o adjetivo Grã/ Grão ou quando há artigo entre os elementos

Ex: Grã-Bretanha, Grão-Pará, Baía de todos-os-Santos

6.Usamos o hífen em palavras compostas que se referem a espécies de animais ou vegetais

Ex: couve-flor, louva-a-deus, erva-doce

7.Usamos o hífen quando a palavra que segue os advérbios “bem”/ “mal” é iniciada por vogal ou por h.

Ex: bem-estar, mal-humorado, bem-aventurado

8.Usamos o hífen em palavras formadas por sufixos de origem tupi-gurani

Ex: capim-açu, Ceará-mirim

NÃO USAMOS MAIS O HÍFEN QUANDO…

1.Não usamos o hífen quando o prefixo da palavra termina em vogal e o segundo elemento é iniciado por r ou s.

Ex: autorretrato, ultrassonografia, antissocial, antirrugas

Não usamos o hífen, mas dobramos as consoantes r ou s.

2. Não usamos o hífen em palavras que perderam a noção de composição

Ex: paraquedista, paraquedas

3.Não usamos o hífen quando o prefixo termina em consoante e o segundo elemento começa com vogal

Ex: hiperativo, interestadual, supereconômico

E agora, tudo parece menos complicado?

Um ótimo meio para tirar todas as dúvidas sobre o acordo ortográfico é o “ABL responde”, na página da Academia Brasileira de Letras. Além disso, na página da FMU (Faculdades Metropolitanas unidas) é possível baixar o guia completo da Reforma Ortográfica.

Até a próxima, pessoal!

E 2012 ESTÁ CHEGANDO… (REFORMA ORTOGRÁFICA – 2)

Olá, pessoal! Continuando o post anterior, vamos falar mais um pouco sobre a reforma ortográfica.

Com o Acordo Ortográfico as regras de acentuação de algumas palavras foram modificadas. Que tal descomplicar todas essas mudanças?

  1. 1. Os ditongos abertos (“ei”, “oi”) em palavras paroxítonas não são mais acentuados. Então, passaremos a escrever assembleia, ideia, jiboia,joia, androide.

*Mas, é importante lembrar que essa regra vale para palavras paroxítonas (aqueles vocábulos cujo acento tônico está na segunda sílaba). Nas oxítonas e proparoxítonas, os ditongos abertos continuam sendo acentuados.

Exemplo: herói, faróis, anéis, papéis

  1. 2. As palavras terminadas em “oo” e “eem” não são mais acentuadas. Assim, passaremos a escrever enjoo, leem, perdoo, voo, crêem
  1. 3. Não existe mais acento diferencial para os seguintes pares de palavras homógrafas.

*para(verbo) e para (preposição)

*pelo(substantivo) e pelo (preposição+artigo)

*pera(substantivo) e pera (preposição em desuso)

*pela(verbo) e pela (preposição+artigo)

Porém, o acento permanece para as formas

*Pode(presente do indicativo) e pôde (pretérito perfeito)

*Por (preposição) e pôr (verbo)

Ah, é importante lembrar também que os acentos que diferenciam as formas de singular e plural dos verbos ter, vir e seus derivados permanecem.

Exemplo: Ele tem/ Eles têm

Até o próximo post sobre o emprego do hífen!

E 2012 ESTÁ CHEGANDO… (REFORMA ORTOGRÁFICA 1)

Calma, galera! Vocês não estão no blog errado e este não é um post sobre o fim do mundo. Este é, na verdade, o primeiro de uma sequência de posts que tem como objetivo descomplicar as principais mudanças que a Reforma Ortográfica propõe!

Mas, e por que esse título?

Porque 2012 é o fim do prazo que nos foi dado para a adaptação com a nova ortografia.

E como muita gente ainda tem muitas dúvidas nesse assunto, vem que a gente descomplica!

Antes de começarmos a entender as novas regras, vale a pena relembrar a importância dessa reforma ortográfica para o Brasil e para todos os países da CLP (Comunidade dos países de Língua Portuguesa).

O acordo vai unificar a ortografia entre os países que possuem o Português como língua oficial, facilitando assim, a comunicação escrita entre os mesmos.

As principais mudanças que nós, brasileiros, teremos que adotar estão relacionadas

* à extinção do trema

* à acentuação de algumas palavras

* ao emprego do hífen

Vamos começar a “descomplicação” pela extinção do trema!

O trema passa a não existir mais na Língua Portuguesa. Assim, passamos a escrever: cinquenta, consequência, linguiça.

Entretanto, o trema continua a ser empregado em nomes próprios e seus derivados.

Exemplo: Müller – mülleriano

Aguardem o próximo post sobre as novas regras de acentuação. :)


SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline